NO BRASIL

Atendendo a um chamado

Tudo começou com Henry Jeffery.

No início dos anos 40 o missionário inglês Henry Jeffery, que até aquele momento liderava a igreja “Elim Tabernacle” em Ingatestone, ao lado de Bernard Moore, teve uma visão para desenvolver um trabalho no Brasil. Na época ligado à Sociedade Missionária de Londres, ele viajou com a esposa Edith Jeffery empenhando-se em desenvolver um trabalho sério para levar a palavra de Deus.
Entre os anos de 1946 e 1949, o missionário chegou a trabalhar em Londrina sob recomendação da Capela Sociedade Missionária de Londres, e já em São Paulo esteve à frente da consolidação de várias Igrejas, pregando, ensinando a bíblia e promovendo batismos. Entre as que participou diretamente da fundação está a Igreja Evangélica Avivamento Bíblico, onde no dia 15 de junho de 1947, nas águas do rio Cabuçu, foram batizados quarenta e sete avivalistas, dentre os quais o seu líder, Mário Roberto Lindstrom. Dois meses depois, a 16 de agosto, Henry presidiu a primeira assembleia da Igreja. Daí em diante seu ministério cresceu na mesma proporção que a igreja.

Surge a Elim Brasil

No início dos anos 60, Henry Jeffery e sua esposa Edith, estavam congregando na Igreja Evangélica Pentecostal Elim da Inglaterra em Essex, um dos municípios situados a nordeste da cidade de Londres. O ministério da Inglaterra tinha o desejo de enviá-los para promover uma missão na Índia, mas Deus mudou os seus planos e o casal acabou retornando ao Brasil, dessa vez para a região de Santo Amaro, na cidade de São Paulo (SP).

Na capital paulista, Henry negociou o aluguel de um salão na Rua Paulo Eiró, e começou também a pregar pelo rádio, para uma audiência potencial, uma vez que o rádio era um veículo de grande alcance na época. Henry chegou a falar para seis milhões de ouvintes em apenas uma semana.

Logo, cerca de 35 pessoas aceitaram Cristo como seu Salvador nas reuniões promovidas por Henry em Santo Amaro. Um dos convertidos foi a irmã Francisca Maria de Jesus que até hoje frequenta os cultos no bairro do Socorro. Um assassino, libertado da prisão havia três meses também estava entre aqueles que aceitaram Jesus através das pregações do missionário.

Henry também iniciou um trabalho evangelístico com ensinamento das escrituras nas escolas da região, onde 1600 alunos puderam ouvir a palavra de Deus e 400 deles aceitaram a Cristo como seu salvador.

Na região, o casal conheceu uma mulher enferma que sofria há anos com uma ferida na perna (úlcera varicosa), e o Pastor Henry sentiu que sua missão era orar por ela. Na semana seguinte quando aos Jefferys retornou à casa da enferma, verificaram que a ferida havia cicatrizado. Em gratidão pela cura, a mulher doou ao casal um terreno, onde foi levantada a Igreja Elim que hoje é a sede do Ministério em nosso país.

O trabalho na Elim Socorro começou no dia 30 de abril de 1963. Naquela época, outras duas igrejas Elim foram abertas em seguidas, a do Jd. São Luís (hoje Casa Blanca) e uma no interior de São Paulo em Narandiba, cidade que ficava a 17 horas de viajem de trem. Na ocasião o ministério contava com 83 membros batizados.

Em relatório enviado à Inglaterra Henry Jeffery descreveu: “metade da população do Brasil vive em áreas urbanas, onde não são oferecidas condições dignas de vida. Eles têm baixos salários, baixa escolaridade, onde a maioria da população é analfabeta e há muita imoralidade, entre outras questões. A maioria da população é católica romana, outras voltadas para o espiritismo e magia negra, esforçando-se por todos os meios para encontrar a paz e satisfação. O Espírito de Deus vem trabalhando e milhares de pessoas estão encontrando Cristo como seu Salvador, mas o diabo tem utilizado o seu analfabetismo para dividir a igreja em muitas seitas, denominações e grupos, muitos deles falsos que tendem apenas a dividir e não unir.

A principal responsabilidade minha como missionário é evangelizar, ensinar e também usar a palavra de Deus por todos os meios e métodos através do rádio, da bíblia e da literatura cristã. Esta tarefa é de extrema urgência, para atingir todas as classes sociais de pessoas com a mensagem da verdade. Temos que abrir novos campos missionários em toda parte, em torno de fábricas, na qual o ritmo da industrialização exige um novo conceito de evangelismo já que cada convertido se torna um missionário.

Comecei um trabalho com aulas noturnas para o ensino da bíblia acompanhado por uma equipe de trabalho objetivo. Achei que desta forma seria a melhor e mais produtiva maneira de fazer isso. As equipes, assim criadas, podem se deslocar para as diversas áreas, visando com isso o aprofundamento da vida espiritual, sempre enfatizando os ensinamentos do Mestre, também pela oração e pela plenitude do Espírito Santo.

Temos enfatizado também a eles a necessidade do trabalho cristão, atuando sempre dentro das necessidades das igrejas e ensinando outros obreiros leigos a aceitar a responsabilidade de liderança e de formar outras células de evangelismo.”

jefferys
Henry Jeffery e a esposa Edith Jeffery
12312248_1012455572150780_1388995729_n
Henry e Edith Jeffery e os filhos Ann e Paul

O Legado dos Jefferys

O tamanho do país apresentou aos Jefferys uma tarefa muito árdua para alcançar boa parte dele com a palavra de Deus, mas dentro de suas visões estava muito claro de que eles deveriam proclamar o evangelho “de todas as formas”. Nessa altura, embora tenha havido expansão, muitas pessoas de outras cidades mais distantes e muitas tribos intocadas pelo evangelho ainda viviam sem o contato com a palavra de Deus e esperavam conhecer essa verdade.

Com o número crescente de igrejas, a necessidade de um estudo teológico tornou-se indispensável, assim como a necessidade de mais obreiros brasileiros qualificados para a propagação do evangelho. Na ocasião, parte desse trabalho de formação dos líderes foi realizado por Leslie Wigglesworth, secretário EMS, atuando como missionário no Brasil.

Wigglesworth também começou a viajar pelo interior em 1970, desenvolvendo um trabalho onde igrejas Elim foram implantadas entre São Paulo e Brasília. A estratégia de Leslie era convidar as crianças que moravam em volta da Igreja para as escolas dominicais, e com isso conseguia atrair os seus pais. Dessa forma a expansão ocorreu.

Milagres de todos os tipos começaram acontecer nas igrejas Elim. Um forte exemplo, foi o de um garoto com osteomielite que envolto em ataduras foi levado à Elim pelos seus familiares para que orassem por ele. Deus operou maravilhosamente e quando os médicos o reavaliaram, a criança estava curada. Houve uma comoção geral, entre médicos e enfermeiros.

Um outro caso marcante foi o de Oswaldo Mengarda, que se tornou o pastor da igreja em Londrina (PR), então com 160 membros batizados e um programa de rádio. Educado em um lar católico em São Paulo, Oswaldo sempre foi fiel à sua igreja. Embora religioso, ele era fumante, ingeria bebidas alcoólicas e gostava de jogatinas, mas era também um buscador da verdade. Era um construtor de barcos, e tinha muitos amigos na sua profissão, um deles era evangélico e frequentador da Elim e o convidou para assistir um culto. Oswaldo ficou muito impressionado com o que ouviu e, apesar de não se converter imediatamente, foi convidado a cantar no coral, aceitando Jesus em seguida.

Pastor Brewster

Em 1967 durante a Conferência Mundial Pentecostal realizada no Rio de Janeiro, a Elim foi visitada pelo Pastor Brewster e sua esposa. Ele chegou a pregar na Igreja do Socorro para mais de 400 pessoas e através de ministrações infantis falou também com cerca de 140 crianças. Suas orações eram fervorosas e por onde passava levava centenas de pessoas, fazendo sempre questão de orar por enfermos. Também visitou três outras Igrejas do ministério, entre as quais a de Londrina, onde o pastor Oswaldo era o responsável. No Paraná, sua passagem foi marcante, pois a Elim tremeu no poder de Deus com inúmeros convertidos, curados e libertados.

Além de viajar muito para assistir o trabalho realizado pelo ministério, o Pastor Brewster pode presenciar a inauguração do novo edifício da igreja do Socorro.

Casa Blanca e mudanças importantes.

A nova Igreja do Socorro foi inaugurada no dia 9 de julho de 1967, dia em que se comemora o aniversário da Revolução Constitucionalista e consequentemente um feriado.

O templo na Rua Amaro Leite teve toda a sua construção supervisionada e idealizada pelos obreiros José Araujo Negrão Filho e José Veloso, que convocaram outros irmãos para ajudarem na empreitada.

Parte da antiga igreja da Rua Paulo Eiró foi deslocada para o São Luís e se instalou num edifício feito de madeira e papelão compactado, aberta pelo evangelista Geraldo. A Elim do São Luís foi construída num terreno alugado em uma área montanhosa, na antiga Rua B, hoje Rua João Camisanova. Desse período, a família da irmã Celina Cintra Vieira, o saudoso Presbítero Alcides Cintra (Dinho) e Claudio Michelim, merecem destaque.

Na ocasião o ministério começou a crescer consideravelmente, pois muitas pequenas igrejas independentes e obreiros de outras denominações, vieram congregar na Elim.

Ao retornar de férias da Inglaterra, Henry Jeffery fez algumas mudanças significativas na Elim no final da década de 1960. O Pastor Oswaldo Mengarda de Londrina foi transferido para a igreja sede em São Paulo depois de servir por três anos no Paraná. Seu lugar foi ocupado pelo pastor Norberto do Espírito Santo, que pertenceu a Igreja Assembleia de Deus antes de se juntar Elim dois anos antes.

A igreja no Jd. São Luís passou a ser dirigida pelo irmão José e o Pr. Demetrio Tartarotti que fazia parte de outro ministério, mas a pedido de Henry Jeffery auxiliava dentro de suas possibilidades o irmão José. Mais tarde a Igreja do Jd. São Luís esteve a cargo de Moacyr Aguiar.

Antonio Messias cuidou do trabalho em Narandiba, vivendo pela fé já que não houve como trabalhar no município. Em Piraporinha, um grupo de crianças se reuniam todo domingo de manhã no quintal da casa de irmãos e apresentava a necessidade urgente de se construir uma Igreja própria.

Em 1973, o pastor em Londrina foi nomeado Presidente da Obra Elim no Brasil e teve que mudar-se para São Paulo. Seu lugar foi ocupado por Carlito de Oliveira. Carlito, quatro anos antes, tinha tido tuberculose, perdera um pulmão e teve o outro muito afetado. Ele tinha tido uma hemorragia muito grande nos pulmões e seu estado era crítico, quando o Pastor da Elim orou por ele, Carlito acenou com a mão aceitando Cristo, a hemorragia imediatamente cessou e os médicos puderam operá-lo.

Em 1963, o trabalho do Brasil foi assumido pela Sociedade Missionária Elim (EMS) e era mantido pela Sociedade de Senhoras da Inglaterra.

Após cerca de seis anos no campo, os Jefferys voltaram para a Inglaterra de férias no início de 1968.

Em 24 de Maio de 1981 Henry, teve um ataque cardíaco e foi levado ao hospital. Às 22h após sofrer outro ataque acabou falecendo.

A família Huntly

Em 14 de dezembro de 1974 Stephen Huntly com sua esposa, Maureen e seus dois filhos, Marcos e Stephen, vieram para o Brasil e assumiram a liderança do ministério em nosso país. Stephen era um estimulador da área de missões da Igreja Elim Inglesa e fez uma série de viagens para a Índia com essa finalidade.

Na época, apesar da maioria das igrejas brasileiras estar centrada na Grande São Paulo, mas o trabalho realizado em Brasília e Londrina, mereciam destaque. Stephen Huntly avaliou que a Rádio era um dos meios mais eficazes de evangelização pois podia atingir pessoas de todas as idades e em todas as camadas sociais. Assim, programas de rádio evangélicos eram transmitidos diariamente pela Rádio Clube de Londrina e semanalmente pela Rádio Wenceslau. O grande resultado destas emissões foi o plantio de novas igrejas, bem como o ganho de muitas almas para o Senhor.

Com o resultado das transmissões de Londrina, seis novas congregações foram estabelecidas. Entre as quais um trabalho iniciado a 15 quilômetros dali, em Presidente Epitácio, além do recebimento de várias cartas pedindo para que se abrissem outras congregações. A expansão do trabalho de Stephen no Brasil foi um fator importante para a formação de novos obreiros nacionais e para a implantação de igrejas.

Na Convenção Anual de 1976, Roque Arruda foi escolhido para junto com Stephen desenvolver um trabalho evangelístico na cidade de Campinal, onde alugaram um salão e desempenharam uma campanha de 30 dias. Durante a primeira semana, tiveram uma frequência em média de 60 pessoas, e 32 aceitaram a Jesus. No domingo seguinte, os dois evangelistas fizeram um trabalho de acompanhamento e naquela noite, 230 pessoas participaram da reunião, e 22 aceitaram Cristo.

Deus se fez presente em Campinal e muitos pedidos para abertura de novas igrejas foram surgindo dos estados de Mato Grosso, Minas Gerais e Grande São Paulo.

Paul e Rose Jeffery

Após o retorno dos Huntlys à Inglaterra, o filho do pastor Jeffery, Paul Jeffery e sua esposa Rose tomaram as rédeas da Igreja Elim no Brasil. Um dos maiores problemas enfrentados foi o sincretismo profundamente enraizado na mentalidade brasileira, que afetou as igrejas evangélicas e teve de ser tratada. Paulo escreveu na época.

Naquela época houve uma intenção de abrir uma creche para as crianças, mas as instalações das Igrejas não permitiam e não havia dinheiro suficientes para se fazer uma grande reforma estrutural e realizar o intento. A longo prazo, houve um desejo de abrir uma escola cristã, embora isso nunca se materializou. Em geral, o compromisso era para evangelizar os não alcançados do Brasil e para aliviar o sofrimento dos menos favorecidos.

Uma das frustrações do trabalho foi a ideia de construir Igrejas em terrenos doados gratuitamente pelo governo. Infelizmente, a falta de dinheiro e financiamento fez com que o projeto fosse abandonado. Naquele tempo, uma Igreja poderia ser erguida por cerca de 2 mil libras esterlinas e alguns apelos foram feitos ao Reino Unido na ocasião, mas sem qualquer resposta significativa.

Pr. José Pedro Filho

Em 1983, após o retorno dos Jefferys para a Inglaterra, o trabalho no Brasil ficou em grande parte sob administração brasileira. Sem nenhum missionário enviado da Inglaterra, aquele foi o momento da Igreja Elim aprender a se erguer sobre os próprios pés.

José Pedro Filho, que veio do nordeste do Brasil, migrou para São Paulo e tornou-se um membro ativo na igreja. Passou por todos os postos do oficialato tornando-se Pastor, e mais tarde foi nomeado presidente do Ministério Elim no Brasil.

Pastor José Pedro procurou promover um trabalho sério, estabelecendo novas igrejas em todo o país. Ele tinha o apoio de todo o ministério e tornou-se assim a primeira liderança efetivamente nacional.

José Pedro atuou no cargo com muita sabedoria, fibra e senso administrativo e levou o seu trabalho até sua morte prematura e trágica, como resultado de um acidente ao cair do telhado de sua casa.
Em 1990, a Elim entrou em uma década de evangelização em relação a missões internacionais. O Brasil foi escolhido como o primeiro país a receber ajuda do ministério Inglês. Em um levantamento preliminar percebeu-se , uma grande necessidade de ter uma liderança treinada.
Alguns pastores brasileiros estavam estudando em cursos teológicos por correspondência, mas era de pouca ajuda efetiva. Neste período, equipes de voluntários de ministros do Reino Unido viajaram para São Paulo para efetuar algumas palestras e foram recebidos de braços abertos pelos ministros brasileiros. Infelizmente o resultado não se materializou.

A ampliação e diversificação prevista não se tornou uma realidade por várias razões. Em parte, o clima econômico com as taxas de inflação aumentando diariamente. Além disso, apesar de todo o desempenho do pastor José Pedro, a igreja lutava muito para resolver a questão de liderança. Alguns líderes novatos, por falta evidentemente de outros mais experientes, tiveram que ser colocados em cargos importantes nas igrejas. Devido à formação cristã não estar totalmente concluída estes eram suscetíveis às influências externas em termos de doutrina, fatores culturais, entre outras coisas.

Com o falecimento do pastor José Pedro, foi eleito o Pastor João Batista Ciêncio para a presidência. Homem de Deus com uma excelente bagagem tanto intelectual quanto teológica e também com muita experiência dentro do ministério Cristão, que deu continuidade aos projetos de seu antecessor e ampliou através de ensinamentos bíblicos, estruturação e capacitação de obreiros.

Pr. Sílvio Micheletti

Em 2004, o Pastor Ciencio passou a missão de liderar o Ministério para p Pastor Silvio Micheletti, que praticamente nasceu dentro do ministério Elim. Homem de Deus, com uma visão ministerial e estrutural exepcional.

Tudo o que os seus antecessores tentaram colocar em prática por décadas sem nenhum sucesso, o Pastor Silvio conseguiu em poucos anos à frente da Igreja Elim. Silvio reestruturou os templos, estruturou um Seminário Teológico, para a formação dos nossos futuros líderes, e inúmeras outras benfeitorias para o nosso ministério deixando-a entre as igrejas mais bem organizadas do Brasil o que é motivo de orgulho para todos nós que pertencemos a Elim.